Notícias locais

13 13America/Sao_Paulo janeiro 13America/Sao_Paulo 2022

Carta do presidente do SINCOMACO, Cláudio Conz aos associados


Caros Amigos e Amigas,

Feliz 2022!!!

As vendas no comércio de material de construção em Dezembro tiveram uma queda sobre o mês de Novembro de 6% no faturamento. Comparado com dezembro de 2020 a queda foi de 9%.

Desta forma, fechamos o ano com um crescimento no faturamento de 8%, porém com queda no volume físico de 15% sobre 2020.

Isso, porém, não deve soar como um sinal de desalento, pois diversas variáveis impactarão positivamente o nosso setor este ano.

A construção civil poderá crescer 2%, em 2022, com o Produto Interno Bruto (PIB) se expandindo de 0,5% a 1%, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

O mercado de trabalho absorveu mais de 3 milhões de pessoas (caímos de 13,7 para 12,1 milhões de desempregados) e, em breve, o resultado será sentido nas lojas de material de construção já que reforma se adia mas sempre se faz.

O Brasil tem hoje 94 milhões de pessoas ocupadas (houve um aumento muito grande no mercado de trabalho informal: mais de 2 milhões de pessoas ingressaram neste ano, representando 38,2 milhões de pessoas trabalhando informalmente).

Os dados são da pesquisa Nacional de amostra por domicílio (Pnad) do IBGE o que me leva a dizer que 2022 será muito parecido com 2021.

Outro fator positivo é que vamos ter uma descompressão da inflação de forma que a renda real terá alguma melhora e devemos estar preparados, pois, pessoalmente, não acredito em queda nos nossos preços.

A demanda do setor com certeza será um prazo de pagamento estendido, seja para quem compra ou vende – daí a importância de fazer os devidos ajustes com seus fornecedores bem como oferecer opções de financiamento para os clientes.

Atualmente a média é de oito a 12 meses para um financiamento ao consumidor e por isso insisto em todo o cuidado com o FLUXO DE CAIXA, pois será necessário oferecer facilidades para quem compra assim como manter os compromissos em dia.

A OMS afirma que este ano será o último da pandemia e a atenção deve ser para não perdermos ganhos que foram obtidos como as vendas.

Seu maior problema em 2022 será seu concorrente, já que todo o setor se fortaleceu na pandemia.

O setor foi extremamente beneficiado (principalmente o varejo de material de construção, que sai muito forte desse período 20/21) tanto pela sua essencialidade como readequações das operações.

Importante: ainda temos muito desajustes nos estoque pelas entregas fracionadas e matérias primas importadas ainda sofrem com o impacto do câmbio.

Por isso, Caro Amigo e Amiga, foque no seu estoque: não deixe faltar como também não fique com produto em excesso, pois temos ainda uma inflação a ser absorvida de 10% nos produtos de material de construção.

Repassar esse aumento (tanto da indústria para o comércio como para o consumidor final) exigirá muita criatividade.

Invista em treinamentos para sua equipe de vendas, mostre que está disponível para negociar e seja positivo: após dois em isolamento parcial e total, as pessoas voltarão a socializar e as casas devem estar ainda mais bonitas e confortáveis, demandando os produtos por nós comercializados.

Faça parcerias, converse com outros lojistas e sobretudo com seus fornecedores: é da união que vem a força para vencer mais um ano de imprevisibilidades e as variações de humor do setor financeiro com as eleições mas com a certeza de que somos necessários pois construimos o Brasil dia após dia.

Abraços,

Cláudio Conz

Voltar para Notícias